Mês: janeiro 2010

A menina “brigô co” Predro

foi assim que o Joshua, meu filho de 3 anos me disse o nome seu primeiro amiguinho de escola.
Sei que os primeiros amigos são os que a gente nunca esquece.

Meu primeiro amigo foi o Luciano, com 6 anos, na primeira série da Escola Estadua Tenente Springer, em Pinhais.
Lembro dele tirando sarro dos meus dentes quando perguntei o que era a aplicação de fluor: “É pra diminuir esses seus dentões!”.
Lembro de um huge cachorro beje detonando ele no muro a caminho da escola, de manhãzinha. E eu dizendo na escola que ele tinha morrido, o cachorro tinha-o devorado. Exagero. Só estudei com ele dois anos, depois ele se mudou e não tive mais notícias.

O fato é que esses primeiros anos de vida sempre trazem lembranças pra vida toda.
E é muito gostoso poder ouvir, ver e participar dessa fase da vida dele, tentando fazer dessas lembranças as melhores possíveis.

Quando eu era criança …

– Fingia que passava mal na escola pra ser dispensado e voltar pra casa brincar com o bonequinho do He-Man.

– No meu aniversário sempre chovia e eu esperava minha mãe me buscar na escola com o fusca branco, ansioso pra passar a tarde desenhando no caderno de desenho e lápis de cor que tinha ganhado de presente.

– Esperava pra dançar com a colega de classe, versão loira da “garotinha ruiva” no sarau de que sempre rolava na sala em vésperas de feriado, no melhor padrão “meninas trazem doce ou salgado, e meninos trazem refrigerante”. Quando ela ( nunca eu ) me chamava pra dançar, eu negava. Tímido.

– Brincava de forte apache com meu irmão Tom Veiga, com aqueles bonequinhos de plástico monocromáticos de índios apaches e soldados.

– Montava meu ferrorama ( o mais barato ).

– Passava as tardes brincando com bonequinhos dos Thundercats na casa dos amigos.

– Assistia Karatê Kid e achava que sabia lutar Karatê no dia seguinte.

– Comia bolo de chocolate com suco de laranja Tang no lanche das 15hs.

– Ia pro sítio com a família todo final de semana.

– Desenhava o Bidú, do Maurício de Souza, repetidas vezes no fundo de uma centena de folders da empresa do meu pai.

– Fazia pipas gigantes que voavam uma vez só. ( arrebentavam a linha e iam embora )

– Queria sair com meu irmão mais velho ( Victor ), que obviamente nunca me levava.

– No final da tarde assistia DuckTales molhando pão d’água no café com leite.

– Fazia experiências com moscas e formigas. Moscas sem asas jogadas em formigueiros abertos, e formigas voando de pára-quedas em embalagens de filmes fotográficos.

– Assistia filmes dos Trapalhões de graça, no cinema onde minha avó trabalhava.